terça-feira, 6 de junho de 2017

CURSO CAPELANIA CRISTÃ – RIO DAS OSTRAS-RJ - 08/07/2017 (DIA 08 DE JULHO DE 2017)


CURSO CAPELANIA CRISTÃ – RIO DAS OSTRAS-RJ - 08/07/2017
32ª TURMA DE CAPELANIA


LOCAL: IGREJA ASSEMBLÉIA DE DEUS VITÓRIA EM CRISTO
Pastor Almir Arruda
RODOVIA AMARAL PEIXOTO, Nº4184 
CENTRO - RIO DAS OSTRAS-RJ


DATA: 08 DE JULHO DE 2017 - SÁBADO
HORÁRIO: DAS 14 HORAS ÀS 22 HORAS
INVESTIMENTO: R$ 65,00
OBS. LEVAR UMA FOTO 3X4 / CÓPIA DO RG E CPF / SERÁ PREENCHIDA UMA FICHA DE MATRICULA NO DIA.


APOSTILA ENCADERNADA
DIPLOMA DE CAPELÃO
ATA NOMEAÇÃO CAPELÃO
CREDENCIAL DE CAPELÃO


DIDÁTICA:
- CAPELANIA HOSPITALAR
- CAPELANIA PRISIONAL (CARCERÁRIA)
- CAPELANIA MILITAR
- CAPELANIA ESCOLAR
- DEPENDENCIA QUIMICA


MINISTRANTE: Pr. Charles Maciel Vieira, D.Th.
CONTATO: (22) 99746-0635


Pr. Charles Maciel Vieira, D.Th.

RIO QUEBAR - BIBLIA


  O rio Quebar foi um antigo canal de irrigação da antiga Meso-potâmia, situado a uma pequena distância do eufrates.

  Teria sido o lugar onde viveu o profeta Ezequiel correspondendo a um assentamento de exilados judeus conhecido como Tel-Abibe, na antiga região de Nipur, situada à sudeste da Babilônia.


Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Quebar

----------------------------------------------------------

  kē´bar (כּבר, kebhār; Χοβάρ, Chobár): [do babilônio, significando "Grande (Canal)"].

  “Rio” “na terra dos caldeus”, perto do qual os judeus da comunidade de Tel-Abibe foram exilados. (Ez 1:1-3; 3:15) Ao mencionar o rio Quebar, Ezequiel empregou o termo hebraico nahár (traduzido “rio”), pelo visto em seu sentido mais amplo, de modo a incluir os numerosos canais babilônicos que outrora cruzavam a fértil área entre os cursos inferiores dos rios Eufrates e Tigre. Tal emprego seria coerente com a correspondente palavra babilônica, que também descreve quer um rio, quer um canal.

  A localização exata do rio Quebar é desconhecida. Todavia, a maioria dos geógrafos bíblicos liga o rio Quebar com o Shatt en-Nil, que tem sido identificado com o naru Kabaru (ou “Grande Canal”) mencionado em tabuinhas cuneiformes de contrato encontradas na cidade de Nipur, cerca de 85 km ao SE de Babilônia. O Shatt en-Nil se separa do Eufrates acima de Babilônia e corre em direção ao SE, passando próximo a Nipur, para unir-se novamente ao Eufrates ao S de Ur, cerca de 240 km abaixo de Babilônia.

  Em 613 AEC, Tel-Abibe, próximo ao rio Quebar, foi o lugar da primeira visão registrada do profeta Ezequiel, cujos efeitos assombrosos perduraram sete dias, e de seu comissionamento como “vigia para a casa de Israel”. (Ez 1:1–3:21) Visões similares em ocasiões posteriores fizeram o profeta lembrar-se de sua experiência no rio Quebar. — Ez 10:15, 20, 22; 43:3.



Fonte: https://bibliotecabiblica.blogspot.com

terça-feira, 30 de maio de 2017

LIVROS TEOLÓGICOS RECOMENDADOS

Recomendo aos estudantes, seminaristas, teólogos, e obreiros em geral, a compra dos livros, conforme imagem abaixo. Compre sem medo, e viva a realidade da Palavra de Deus. 

Pr. Charles Maciel Vieira, D Th.
Ministério Palavra e Teologia











REFLEXÃO SOBRE A CULPA


"O lugar onde sofremos a aflição, ou a dor que nos foi imposta, o pedaço que foi arrancado, sem aviso, de forma brusca, arrebatando todos os nossos sentidos, tirando o nosso chão, socando nossos pensamentos, com a covardia do intelecto, com a bloqueio de nossas forças. A culpa é do corpo que não aguentou, da mente que não soube suportar, e uma mágoa que fica corroendo, cortando, e dizendo para nós: "aponte essa culpa para Deus!", mas Deus não é culpado do coração parar de bater, do corpo entrar em colapso, de sermos magoados e maltratados. A herança vinda de Adão e Eva, através da desobediencia, fez entrar no mundo a maldade, a limitação humana, o caos. Então hoje, somente hoje, peço a Deus forças, para encarar de frente, onde surgiu a angustia, onde fui golpeado, onde caiu no chão o amor e agarrou-se em mim, a falta de perdão. Peço a Deus que me ensine a perdoar, que sejamos livres de uma culpa psicológica, que aflige a alma, mas que Jesus já a sofreu em meu lugar!" - Pr. Charles Maciel Vieira, D. Th.

domingo, 21 de maio de 2017

CURSO CAPELANIA CRISTÃ – RIO DAS OSTRAS-RJ - 27/05/2017


CURSO CAPELANIA CRISTÃ – RIO DAS OSTRAS-RJ - 27/05/2017
31ª TURMA DE CAPELANIA


LOCAL: IGREJA ASSEMBLÉIA DE DEUS MINIST.SOCORRO URGENTE
Pastor Claudecir Ferreira
Pastora Gabriele Gloria
RUA BOUGANVILLE, Nº101 
ANCORA  - RIO DAS OSTRAS-RJ.


DATA: 27 DE MAIO DE 2017 - SÁBADO
HORÁRIO: DAS 14 HORAS ÀS 22 HORAS
INVESTIMENTO: R$ 65,00
OBS. LEVAR UMA FOTO 3X4 / CÓPIA DO RG E CPF / SERÁ PREENCHIDA UMA FICHA DE MATRICULA NO DIA.


APOSTILA ENCADERNADA
DIPLOMA DE CAPELÃO
ATA NOMEAÇÃO CAPELÃO
CREDENCIAL DE CAPELÃO


DIDÁTICA:
- CAPELANIA HOSPITALAR
- CAPELANIA PRISIONAL (CARCERÁRIA)
- CAPELANIA MILITAR
- CAPELANIA ESCOLAR
- DEPENDENCIA QUIMICA


MINISTRANTE: Pr. Charles Maciel Vieira, D.Th.
CONTATO: (22) 99746-0635


Pr. Charles Maciel Vieira, D.Th.


quinta-feira, 18 de maio de 2017

CURSO CAPELANIA CRISTÃ - MACAÉ-RJ - 20/05/2017



CURSO CAPELANIA CRISTÃ - MACAÉ-RJ - 20/05/2017
30ª TURMA DE CAPELANIA



LOCAL: IGREJA ASSEMBLÉIA DE DEUS MISSÃO FRATERNAL
Pastor Eliseu Barcelos
Pastor Adilson Araújo
RUA MEDEIROS, Nº1031 
NOVA HOLANDA - MACAÉ-RJ.



DATA: 20 DE MAIO DE 2017 - SÁBADO
HORÁRIO: DAS 14 HORAS ÀS 22 HORAS
INVESTIMENTO: R$ 65,00
OBS. LEVAR UMA FOTO 3X4 / CÓPIA DO RG E CPF / SERÁ PREENCHIDA UMA FICHA DE MATRICULA NO DIA.



APOSTILA ENCADERNADA
DIPLOMA DE CAPELÃO
ATA NOMEAÇÃO CAPELÃO
CREDENCIAL DE CAPELÃO



DIDÁTICA:
- CAPELANIA HOSPITALAR
- CAPELANIA PRISIONAL (CARCERÁRIA)
- CAPELANIA MILITAR
- CAPELANIA ESCOLAR
- DEPENDENCIA QUIMICA



MINISTRANTE: Pr. Charles Maciel Vieira, D.Th.
CONTATO: (22) 99746-0635



Pr. Charles Maciel Vieira, D.Th.

terça-feira, 9 de maio de 2017

BIBLIOLOGIA - OS LIVROS ANTIGOS - PR. ANTONIO GILBERTO

  

  A Bíblia é um livro antigo. Os livros antigos tinham a forma de rolos (Jr 36.2). Eram feitos de papiro ou pergaminho. O papiro é uma planta aquática que cresce junto a rios, lagos e banhados, no Oriente Próximo, cuja entrecasca servia para escrever. Essa planta existe ainda hoje no Sudão, na Galiléia Superior e no vale de Sarom. As tiras extraídas do papiro eram coladas umas às outras até formarem um rolo de qualquer extensão. Este material gráfico primitivo é mencionado muitas vezes na Bíblia, exemplos: Êxodo 2.3; Jó 8.11; Isaías 18.2. Em certas versões da Bíblia, o papiro é mencionado como junco; de fato, é um tipo de junco de grandes proporções. De papiro, deriva-se a nossa palavra papel. Seu uso na escrita vem de 3.000 a.C.

  Pergaminho é pele de animais, cortida e polida, utilizada na escrita. É material gráfico melhor que o papiro. Seu uso é mais recente que o do papiro. Vem dos primórdios da Era Cristã, apesar de já ser conhecido antes. É também mencionado na Bíblia, como em 2 Timóteo 4.13.

  A Bíblia foi originalmente escrita em forma de rolo, sendo cada livro um rolo. Assim, vemos, que, a princípio, os livros sagrados não estavam unidos uns aos outros como os temos agora em nossas Bíblias. O que tornou isso possível foi a invenção do papel no Século II, pelos chineses, bem como a do prelo, de tipos móveis, inventada em 1450, pelo alemão Gutemberg. Até então era tudo manuscrito pelos escribas de modo laborioso, lento e oneroso. Quanto a este aspecto da difusão de sua Palavra, Deus tem abençoado maravilhosamente, de modo que hoje milhões de exemplares das Escrituras são impressos com rapidez e facilidade em muitos pontos do globo. Também, graças aos progressos alcançados no campo das invenções e da tecnologia, podemos hoje transportar com toda comodidade um exemplar da Bíblia, coisa impossível nos tempos primitivos. Ainda hoje, devido aos ritos tradicionais, os rolos sagrados das Escrituras hebraicas continuam em uso nas sinagogas judaicas.




FONTE: ANTONIO GILBERTO - A BÍBLIA ATRAVÉS DOS SÉCULOS (CPAD)


A NECESSIDADE DO ESTUDO DAS ESCRITURAS - BIBLIOLOGIA - pR. ANTONIO GILBERTO

  
  Isto está implícito em Salmo 119.130; Isaías 34.16; 2 Ti­móteo 2.15; 1 Pedro 3.15, e nos conduz a dois pontos de suma importância: a) porque devemos estudar a Bíblia, e b) como devemos estudar a Bíblia.

  Estudar é mais que ler; é aplicar a mente a um assunto, de modo sistemático e constante.

1. Porque devemos estudar a Bíblia

   a.  Ela é o único manual do crente na vida cristã e no trabalho do Senhor. O crente foi salvo para servir ao Senhor (Ef 2.10; 1 Pe 2.9). Sendo a Bíblia o livro texto do cristão, é importante que ele a maneje bem, para o fiel desempenho de sua missão (2 Tm 2.15). Um bom profissional sabe empregar com eficiência as ferramentas de seu ofício. Essa eficiência não é automática: vem pelo estudo e práti­ca. Assim deve ser o crente com relação ao seu manual - a Bíblia. Entre as promessas de Deus nesse sentido, temos uma muito maravilhosa em Isaías 55.11. Deus declara aí que sua Palavra não voltará vazia. Portanto, quando alguém toma tempo para estudar com propósito a Palavra de Deus, o efeito será glorioso quanto à edificação espiritual e ao engrandecimento do reino de Deus.

   b.  Ela alimenta nossas almas (Jr 15.16; Mt 4.4; 1 Pe 2.2). Não há dúvida de que o estudo da Palavra de Deus traz nutrição e crescimento espiritual. Ela é tão indispensável à alma, como o pão ao corpo. Nas passagens acima, ela é comparada ao alimento, porém, este só nutre o corpo quando é absorvido pelo organismo. O texto de 1 Pedro 2.2 fala do intenso apetite dos recém-nascidos; assim deve ser o nosso desejo pela Palavra. Bom apetite pela Bíblia é si­nal de saúde espiritual.

  Como está o seu apetite pela Bíblia, leitor?

   c.  Ela é o instrumento que o Espírito Santo usa (Ef 6.17). Se em nós houver abundância da Palavra de Deus. o Espírito Santo terá o instrumento com que operar. É preci­so, pois. meditar nela (Js 1.8; SI 1.2). Ê preciso deixar que ela domine todas as esferas da nossa vida. nossos pensa­mentos, nosso coração e, assim, molde todo o nosso viver diário. Em suma: precisamos ficar saturados da Palavra de Deus.

  Um requisito primordial para Deus responder às nossas orações é estarmos saturados da sua Palavra (Jo 15.7). Aqui está, em parte, a razão de muitas orações não serem respondidas: desinteresse pela Palavra de Deus. (Leia o texto outra vez.) Pelo menos três fatos estão implícitos aqui: a) Na oração precisamos apoiar nossa fé nas promes­sas de Deus, e essas promessas estão na Bíblia, b) Por sua vez, a Palavra de Deus produz fé em nós (Rm 10.17). c) De­vemos fazer nossas petições segundo a vontade de Deus (1 Jo 5.14), e um dos meios de saber-se a vontade de Deus é através da sua Palavra.

  Na vida cristã, e no trabalho do Senhor em geral, o Espírito Santo só nos lembrará o texto bíblico preciso, se de antemão o conhecermos (Jo 14.26). - É possível o leitor ser lembrado de algo que não sabe? Pense se é possível! Portanto, o Espírito Santo quer não somente encher o crente, mas também encontrar nele o instrumento com que operar     a Palavra de Deus.

  Ter o Espírito e não conhecer a Palavra, conduz ao fanatismo. Pessoas assim querem usar o Espírito em vez de Ele usá-las. Conhecer a Palavra e não ter o Espírito conduz ao formalismo. Estes dois extremos são igualmente perigosos.

   d. Ela enriquece espiritualmente a vida do cristão (SI 119.72). Essas riquezas vêm pela revelação do Espírito, primeiramente (Ef 1.17). O leitor que procurar entender a Bíblia somente através do intelecto, muito cedo desistirá do seu intento. Só o Espírito de Deus conhece as coisas de Deus (1 Co 2.10). Um renomado expositor cristão afirma que há 32.000 promessas na Bíblia toda! Pensai que fonte de riqueza há ali! Entre as riquezas derivadas da Bíblia es­tá a formação do caráter ideal, bem como a moldagem da vida cristã como um todo. É a-Bíblia a melhor diretriz de conduta humana; a melhor formadora do caráter. Os princípios que modelam nossa vida devem proceder dela.

  A falta de uma correta e pronta orientação espiritual dentro da Palavra de Deus. especialmente quanto a novos convertidos, tem resultado em inúmeras vidas desequilibradas, doentes pelo resto da existência. Essas, só um milagre de Deus pode reajustá-las. Pessoas assim, ferem-se a si mesmas e aos que as rodeiam.

  A Bíblia é a revelação de Deus à humanidade. Tudo que Deus tem para o homem e requer do homem, e tudo que o homem precisa saber espiritualmente da parte de Deus quanto à sua redenção, conduta cristã e felicidade eterna, está revelado na Bíblia. Deus não tem outra revela­ção escrita além da Bíblia. Tudo o que o homem tem a fa­zer é tomar o Livro e apropriar-se dele pela fé. O autor da Bíblia é Deus, seu real intérprete é o Espírito Santo, e seu tema central é o Senhor Jesus Cristo. O homem deve ler a Bíblia para ser sábio, crer na Bíblia para ser salvo, e prati­car a Bíblia para ser santo.

2. Como devemos estudar a Bíblia

          a.  Leia a Bíblia conhecendo seu autor. Isto é de supre­ma importância, é a melhor maneira de estudar a Bíblia. Ela é o único livro cujo autor está sempre presente quando é lida. O autor de um livro é a pessoa que melhor pode ex­plicá-lo. A Bíblia é um livro fácil e ao mesmo tempo difícil; simples e ao mesmo tempo complexo. Não basta apenas ler suas palavras e analisar suas declarações. Tudo isso é indispensável, mas não basta. É preciso conhecer e amar o Autor do Livro. Conhecendo o Autor, a compreensão será mais fácil.
Façamos como Maria, que aprendia aos pés do Mestre (Lc 10.39). Esse é ainda o melhor lugar para o aluno!

            b.  Leia a Bíblia diariamente (Dt 17.19). Esta regra é excelente. Presume-se que 90fr dos crentes não lêem a Bíblia diariamente: não é de admirar haver tantos crentes frios nas igrejas. Não somente frios mas anãos, raquíticos, mundanos, carnais, indiferentes. Sem crescimento espiri­tual, Deus não nos pode revelar suas verdades profundas (Mc 4.33; Jo 16.12; Hb 5.12). É de admirar haver pessoas na igreja que acham tempo para ler, ouvir e ver tudo, me­nos a Palavra de Deus. Motivo: Comem tanto outras coisas que perdem o apetite pelas coisas de Deus! É justo ler boas coisas, mas, é imprescindível tomar mais tempo com as Escrituras. É também de estarrecer o fato de que muitos líderes de igrejas não levam seus liderados a lerem a Bíblia. Não basta assistir aos cultos, ouvir sermões e teste­munhos, assistir a estudos bíblicos, ler boas obras de lite­ratura cristã: é preciso a leitura bíblica individual, pes­soal. Há crentes que só comem espiritualmente quando lhes dão comida na boca: é a colher do pastor, do professor da Escola Dominical, etc. Se ninguém lhes der comida eles morrerão de inanição.

          c.  Ler a Bíblia com a melhor atitude mental e espiri­tual. Isto é de capital importância para o êxito no estudo bíblico. A atitude correta é a seguinte: a) Estudar a Bíblia como a Palavra de Deus, e não como uma obra literária qualquer, b) Estudar a Bíblia com o coração, em atitude devocional, e não apenas com o intelecto. As riquezas da Bíblia são para os humildes que temem ao Senhor (Tg 1.21). Quanto maior for a nossa comunhão com Deus, mais humildes seremos. Os galhos mais carregados de frutos são os que mais abaixam! É preciso ler a Bíblia crendo, sem duvidar, em tudo que ela ensina, inclusive no campo sobrenatural. A dúvida ou descrença, cega o leitor (Lc 24.25).

          d.  Leia a Bíblia com oração, devagar, meditando. As­sim fizeram os servos de Deus no passado: Davi (SI 119.12,18); Daniel (Dn 9.21-23). O caminho ainda é o mes­mo. Na presença do Senhor em oração, as coisas incom­preensíveis são esclarecidas (SI 73.16,17). A meditação na Palavra aprofunda a sua compreensão. Muitos lêem a Bíblia somente para estabelecerem recordes de leitura. Ao ler a Bíblia, aplique-a primeiro a si próprio, irmão, senão não haverá virtude nenhuma.


          e.  Leia a Bíblia toda. Há uma riqueza insondável nisso! É a única maneira de conhecermos a verdade completa dos assuntos nela contidos, visto que a revelação de Deus que nela temos é progressiva. - Como o leitor pensa compreen­der um livro que ainda não leu do princípio ao fim? Mesmo lendo a Bíblia toda, não a entendemos completamente. Ela, sendo a Palavra de Deus, é infinita. Nem mesmo a mente de um gênio poderia interpretá-la sem erros. Não há no mundo ninguém que esgote a Bíblia. Todos somos sem­pre alunos (Dt 29.29; Rm 11.33,34; 1 Co 13.12). Portanto, na Bíblia há dificuldades, mas o problema é do lado huma­no. O Espírito Santo, que conhece as profundezas de Deus, pode ir revelando o conhecimento da verdade, à medida que buscamos a face de Deus e andamos mais perto dele. Amém.



FONTE: ANTONIO GILBERTO - A BÍBLIA ATRAVÉS DOS SÉCULOS (CPAD)


CURSO CAPELANIA CRISTÃ - RIO DAS OSTRAS-RJ - 13/05/2017 - MAIO/2017


CURSO CAPELANIA CRISTÃ - RIO DAS OSTRAS-RJ - 13/05/2017
29ª TURMA DE CAPELANIA



LOCAL: IGREJA ASSEMBLÉIA DE DEUS MADUREIRA
Pastor Dirigente Marcelo Gomes Ferreira
ESTRADA VELHA RIO DOURADO, Nº308 
CIDADE PRAIANA - RIO DAS OSTRAS-RJ.



DATA: 13 DE MAIO DE 2017 - SÁBADO
HORÁRIO: DAS 14 HORAS ÀS 22 HORAS
INVESTIMENTO: R$ 65,00
OBS. LEVAR UMA FOTO 3X4 / CÓPIA DO RG E CPF / SERÁ PREENCHIDA UMA FICHA DE MATRICULA NO DIA.



APOSTILA ENCADERNADA
DIPLOMA DE CAPELÃO
ATA NOMEAÇÃO CAPELÃO
CREDENCIAL DE CAPELÃO



DIDÁTICA:
- CAPELANIA HOSPITALAR
- CAPELANIA PRISIONAL (CARCERÁRIA)
- CAPELANIA MILITAR
- CAPELANIA ESCOLAR
- DEPENDENCIA QUIMICA


MINISTRANTE: Pr. Charles Maciel Vieira, D.Th.
CONTATO: (22) 99746-0635 
CONTATO: (22) 99862-4326 MISSIONÁRIA JUCELIA FERREIRA


Pr. Charles Maciel Vieira, D.Th.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

O QUE SIGNIFICA ADORAR? - RUSSEL P. SHEDD


Adorar e cultuar, juntamente com palavras como fé e amor, pertencentes aos mais profundos níveis da verdade cristã, não se enquadram facilmente dentro de definições nítidas. Mais susceptível à descrição e experiência do que às limitações de uma definição verbal, qualquer tentativa de definir adoração será falha. Assim fala um sábio desejoso de expressar com palavras o que seria realmente a adoração:

"O transbordar de um coração grato, impulsionado pelo sentimento do favor divino".

No contexto em que Jesus instrui a mulher de Samaria, acerca da verdadeira adoração, Ele declara que a água que Ele daria ao sedento, "seria nele uma fonte a jorrar para a vida eterna" (Jo 4.14). A fonte se abre no novo nascimento (Jo 3.5), jorra em adoração (4.14) e flui em rios de água viva em serviço obediente (7.37,39).  O salmista aproximou-se do cerne da adoração genuína quando disse: 'Tu és o meu Senhor, outro bem não possuo, senão a ti somente" (16.2). Adoração, tal como a palavra inglesa, "worship" (worthship, "valor reconhecido") exprime a riqueza que Deus representa para o adorador.

Quem se assenta num banco da igreja aparenta ser adorador, mas, muitas vezes não o é. Quantas refeições suculentas têm sido planejadas na hora solene do culto, ao contrário do que ocorreu com Maria, sentada "aos pés de Cristo" (Lc 10.39). Quantos negócios têm sido planejados, rascunhados e contratos fechados nas mentes daqueles que lotam os bancos da casa de Deus! Contudo, um ato de adoração reconhece a preciosidade de um encontro vital com Deus e tem para quem busca ao Senhor a vantagem incomparável de conquistar a pérola de grande valor (Mt 13.45). Fundamentalmente, adoração pode ser definida como "a resposta de celebração a tudo que Deus tem feito, está fazendo e promete fazer".

Para o verdadeiro adorador, a pessoa de Deus é tão preciosa quanto um copo de água fresca, puríssima, num dia de calor. "O Senhor é a porção da minha herança e do meu cálice" (Sl 16.5). Adorar implica em peneirar nossos valores. Comunhão com Deus é ou não nosso alvo? Ele, ou nossos interesses, oferecem a maior atração? Cultuar, portanto, é pôr em ordem bíblica as nossas prioridades. Procuramos conhecer a Deus, e vamos conhecendo-O cada vez melhor, de modo a exaltá-lO: "Louvarei ao Senhor em todo o tempo; o seu louvor estará sempre nos meus lábios. Gloriar-se-á no Senhor a minha alma Engrandecei ao Senhor comigo e todos à uma lhe exaltemos o nome" (Sl 34.1-3).


FONTE: Adoração Bíblica - Dr. Russel P. Shedd


A SIGNIFICÂNCIA DA FORMA CONTEXTUALIZADA DE ADORAÇÃO - RUSSEL P. SHEDD


A forma do culto deve ser o veículo mais adequado para conduzir o adorador a um encontro real com Deus. Admite-se que, segundo a cultura e natureza das pessoas, o discernimento individual subjetivo e algumas expressões recomendáveis para uma igreja ou indivíduo serão prejudiciais a outros. Não se trata de modos certos ou errados em si mesmos, mas que todos busquem descobrir como agradar ao Pai Eterno e ainda ouvir a Sua voz com espírito atencioso.

Tanto igrejas locais como denominações inteiras variam muito nas suas maneiras de oferecer culto a Deus. Algumas aprimoram-se na solenidade. O silêncio parece ser essencial na adoração. A maneira de vestir, a decoração do templo, a música tocada ou cantada e a linguagem da mensagem, tudo comunica uma verdade: Deus é sério, distante e majestoso. "Deus está no seu santo templo. Cale-se diante dele toda a terra", é o texto que prevalece.

Outros grupos eclesiásticos não impõem reverência, nem exigem silêncio. Deus não suscita temor neles, nem parece desejar que se mantenha distância. Bebês choram, crianças se levantam para esticar os braços e correr; os jovens conversam, a música tem ritmo acelerado, assemelhando-se à música profana. Também, batem palmas, falam em voz alta e o auditório reage a qualquer afirmação com um forte "amém" ou "aleluia". Num culto na Guatemala realizado há 28 anos atrás, num povoado de índios Chuj, lembro a reação de um membro da congregação ao descobrir que um porco aproximava-se do púlpito. Aquele irmão levantou-se sem qualquer cerimônia, deu um ponta-pé na barriga do animal, que imediatamente soltou gritos característicos, enquanto abandonou depressa o local. O culto continuou normalmente sem qualquer outro escândalo.

Entre estes dois "estilos" de cultuar a Deus, que refletem mais a cultura do que a sinceridade, haveria um certo e outro errado? Creio que não. Uma maneira solene de adorar pinta um quadro de Deus baseado no contexto de reis e cortes, onde os súditos aproximam-se do "chefão" com temor e terror. Contudo, isto não passa de hipocrisia, se os adoradores não conhecem a Deus e não têm uma idéia realista da Sua santidade, amor e poder.

Também, um culto que atrai pelo espírito descontraído, quase leviano, representa sutilmente uma cena de piquenique e brincadeiras. Divertimento não deve ser confundido com adoração, a não ser que Deus seja o personagem central, dominante e transformador. A maneira de adorar deve coadunar-se ao máximo com a verdade revelada sobre a pessoa de Deus. Há, no entanto, fortes tendências de comunicar a realidade de sua paternidade, eliminando, porém, a verdade importantíssima de Sua realeza. Igrejas que deixam de reconhecer que Deus é juiz enquanto os homens são réus,  sofrerão prejuízo eterno (Tg 4.12). Nas próximas páginas convidamos o prezado leitor a pensar sobre a realidade da adoração. O ideal será juntar perfeitamente a forma com a devida expressão interna do coração. Com este intuito, queremos dirigir nosso pensamento em direção às Escrituras. A Velha Aliança, apresentada ao Povo Eleito pela mediação de Moisés, frisou o temor de Deus (cf. Hb 12,18-21). A Nova Aliança não anula o princípio de reverência (cf.2 Co 7.1; 1 Pe 1.17). Aliás, o livro de Hebreus coloca em relevo o perigo de negligenciar a salvação oferecida por Jesus Cristo, que implica em julgamento ainda mais estarrecedor (2.2,3). Mesmo assim, creio que a ênfase maior recai sobre o amor (2 Co 5.14).



FONTE: Adoração Bíblica - Dr. Russel P. Shedd


EXPRESSÕES DE ADORAÇÃO - RUSSEL P. SHEDD


Definir um termo como "cultuar" ou "adorar" não deixa de ser um desafio a todos que se preocupam com uma verdadeira adoração. Por um lado, num sentido mais restrito, significa uma atribuição de honra e glória a quem ou ao que o adorador considera de valor supremo. Seria veneração ou devoção expressa a Deus em público ou pessoalmente.  Por outro lado, pensa-se, popularmente, que adoração requer uma expressão visível, a prática de ritos religiosos que identificam a sua forma Vejamos algumas formas variadas.

1. O culto carismático caracteriza-se por manifestações emocionais, sonoras, visíveis, mostrando a atitude dos adoradores em relação a Deus. A forma do culto se distingue pelo levantamento dos braços, exuberantes gritos de "aleluia", movimentos corporais e "cânticos espirituais", manifestando entusiasmo na maneira de glorificar a Deus. A comunicação cognitiva tem menos importância em comparação com a livre participação daqueles que cultuam.

2. O culto didático e pedagógico concentra a atenção dos participantes na centralidade da Palavra de Deus. Pela pregação, ensino e exortação, espera-se que os assistentes ouçam a voz de Deus pelo recado recebido e sejam convencidos de que devem oferecer a Deus, como Senhor, tudo que Ele exige e merece. As igrejas batistas e presbiterianas exemplificam principalmente a adoração didática

3. O culto eucarístico valoriza o culto por meio da Ceia do Senhor. A Eucaristia representa o cerne da aproximação entre Deus e o cultuante. Por meio da participação nesse "sacramento" memorial, a mística do material unido ao espiritual toma a sua forma concreta para quem celebra a dramatização da morte sacrificial de Jesus Cristo. Espera-se a criação dum espírito de gratidão e devoção nos participantes. As igrejas luteranas, anglicanas, e católicas apresentam um só quadro na importância que atribuem ao culto eucarístico.

4. O culto kerugmático (vem do vocábulo grego kerugma, que significa "proclamação") focaliza a atenção sobre a evangelização dos não-convertidos. As diversas partes do culto são escolhidas e preparadas para levar os espiritualmente perdidos a se entregarem a Jesus Cristo. Cultos evangelísticos são valorizados pelos evangélicos que concebem como a principal responsabilidade da igreja cumprir a missão que Jesus deu aos Seus discípulos (Mt 28.19), uma missão que deve ser levada a efeito dentro e fora do recinto de culto.

5. Outros cristãos modernos concentram a sua comunhão uns com os outros. Torna-se popular a descrição deste culto como "corpo vivo" (body-life), porque procura-se a partipação mútua de todos. A. Neely, professor de missões no Seminário de Wake Forest, E.U.A., sugere o termo koinoniático (do grego koinonia, "comunhão", "participação") para indicar essa qualidade central no culto. Como o corpo humano necessita dar e receber a contribuição de suas diversas partes constituintes, assim muitas igrejas estão recuperando a ênfase primitiva apresentada no Novo Testamento sobre a mutualidade.

6. O culto diakonal. Segundo este conceito, Deus é visto somente no irmão necessitado, sem nos preocuparmos se ele é realmente membro da família do Senhor. Baseia-se nas palavras de Jesus: "... vinde, benditos do meu Pai!... Porque tive fome e me destes de comer... Então perguntarão os justos: Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer? ou com sede e te demos de beber? E quando te vimos forasteiro e te hospedamos? ou nu e te vestimos? E quando te vimos enfermo ou preso e te fomos visitar? O Rei, respondendo, lhes dirá: Em verdade vos afirmo que sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes." {Mt 25.24-40). Assim, boas obras, caridade, atos de compaixão em favor dos que sofrem e dos oprimidos, passam a ser expressão de culto ao Senhor. Outros, que seguem uma linha mais radical, como os adeptos da Teologia da Libertação", vão mais longe. Apóiam movimentos anti-imperialistas e identificam as estruturas direitistas como inimigas. Cultuar, para eles, pode até envolver a luta política contra a injustiça de uma sociedade denominada "reacionária" e "decadente".

Todos estes modelos característicos de culto, formados por séculos de tradição, ou então por modernas reações contra um formalismo herdado do passado ou importado de terras alheias, têm um fator comum. Expressões de adoração como as aqui mencionadas caracterizam as formas de cultuar, e não medem a realidade ou grau de espiritualidade do adorador. Qualquer que seja a expressão do culto ou rito como veículo de adoração, a sua forma é externa, mas a atitude do coração é interna, muitas vezes oculta da própria percepção do adorador.

Deus preocupa-se mais com o coração do que com a forma, ainda que as Escrituras não admitam uma dicotomia entre corpo e espírito. É o próprio Deus quem toma a iniciativa   na busca de verdadeiros adoradores. Ele deu Seu Filho para revelá-lO (Jo 1.18), para sacrificar-se em oferta expiatória, assim rasgando o véu que separava o Lugar Santo do Santo dos Santos (Mt 27.51; Mc 15.38 e Lc 23.45). Jesus deixou o caminho livre para os pecadores se aproximarem do Pai santíssimo (Jo 14.6). Deus cumpriu a promessa proclamada pelos profetas, de derramar Seu Espírito sobre Seus filhos (Ez 36.27). Somente por meio do Espírito é possível oferecer culto verdadeiro a Deus (Jo 4.24; Fp 3.3). Este fator central da adoração é invisível. A forma correta de adorar não garante que estejamos adorando "pelo Espírito" (o termo pneumati [Fp 3.3], em grego, está no dativo instrumental, "por meio do Espírito"). Assim, Deus tem de revelar-se no Filho, perdoar os pecados que nos separam dEle e dar-nos o Espírito para que pela Sua assistência possamos responder-Lhe.  Deus se aproxima de nós no Filho, e nós nos aproximamos dEle no Espírito. Nenhuma dessas realidades pode ser demonstrada por uma expressão externa de culto. Atos religiosos, tais como falar "as línguas dos homens e dos anjos", ou "distribuir todos os bens entre os pobres", ou ainda entregar "o próprio corpo para ser queimado" (1 Co 13.1-3), não expressam necessariamente um amor real. O mesmo acontece com a adoração; os atos externos mais notáveis podem facilmente enganar.

Desde seu começo, o culto cristão tem sido ameaçado por dois perigos: 1) Um formalismo que sacramenta o modo de adorar a Deus, enquanto anula o poder de um contato vital com Deus (cf.2 Tm 3.5) e 2) Uma espontaneidade que encoraja desprendimento e liberdade, desprezando toda e qualquer forma, mas que cria confusão e desordem. Ambas as formas de culto são condenadas pela falta de amor. O formalismo busca o amor pelo Pai celeste enquanto o informalismo desordeiro desvaloriza os filhos da Sua "família". A igreja de Éfeso, possivelmente, ilustra o primeiro perigo, tendo abandonado seu primeiro amor (Ap 2.2-5). Preocupava-se com a forma e em manter boas aparências, mas esquecia-se do principal - o amor. Pode-se verificar o segundo perigo na vida espiritual da igreja de Corinto. A liberdade teve ascendência, reinando com supremacia, enquanto a verdadeira adoração sofreu um eclipse por causa das divisões. A desordem caracterizou a Ceia do Senhor. Nas reuniões da igreja, um irmão qualquer tomava a palavra sem se dar conta de que outros profetas também tinham mensagens para comunicar (1 Co 14.29-30).


FONTE: Adoração Bíblica - Dr. Russel P. Shedd


terça-feira, 18 de abril de 2017

BALEIA AZUL - O QUE É?









Para que os pais tenham conhecimento dos sinais que indicam que seu filho ou filha está participando do jogo "Baleia Azul", resolvi copiar este artigo cuja fonte encontra-se ao final.


Vosso amigo, 




Pastor Charles Maciel Vieira, D.Th.

___________________________________



A depressão é um problema que afeta o mundo todo. Passível de ocorrer em qualquer fase da vida, os jovens costumam ser grande parte das vítimas dessa doença. Considerando que este é um problema de saúde pública, embora nem sempre seja tratado como tal, por vezes resulta em atitudes extremas.



No Brasil, por exemplo, um estudo realizado em 2014 apontou que somos o oitavo país em números de suicídio no mundo. Embora este já seja um grande problema a ser enfrentado, pessoas em todo mundo agora estão cautelosas, especialmente com jovens e adolescentes, devido ao surgimento do jogo chamado “Baleia Azul”.




Se você navegou pelas redes sociais nessa última semana, certamente ouviu falar que ele vem aterrorizando pessoas em todo o mundo, uma vez que resultou na morte de mais de 130 jovens e adolescentes, incluindo uma brasileira no Mato Grosso, que teria se jogado dento de uma represa.




Composto por mais de 50 desafios, o jogo consiste na resolução deles, que depois devem ser atestados por “curadores” dentro de grupos secretos nas redes sociais. O fato é que partes desses desafios podem causar severos danos físicos e mentais.










Estes desafios podem incluir coisas simples, como assistir a filmes de terror durante a madrugada ou atos mais intensos, que envolvem mutilação. Já o desafio final, como você já deve ter percebido, consiste no suicídio.




Dito isso, tendo em mente que o intuito da matéria é apenas ajudar a divulgar o problema para que os sinais sejam identificados pelos pais e responsáveis, abaixo colocamos os 50 desafios. Eles foram traduzidos e divulgados por usuários do Twitter, e você irá notar que algumas tarefas são secretas ou não foram decifradas porque estão em códigos.








______________________________________________________